Marés Vivas 2018

Cartaz 2018 Horário

MANEL CRUZ

Manel Cruz, que lançou recentemente Beija-Flor e Ainda Não acabei, os dois singles que antecedem a edição do seu novo álbum com lançamento marcado já para o próximo mês de abril, irá dividir em vários discos as muitas canções que tem vindo a compor. Após o lançamento do seu novo trabalho, que terá edição física e digital, Manel Cruz irá iniciar a digressão de apresentação do primeiro disco desta nova fase.

Foram várias as paragens que se foi obrigando a fazer para assentar os pés e calcar a terra. Algumas delas nos Ornatos Violeta, outras em Pluto, no lugar errático dos SuperNada e, finalmente, no projeto enigmático que foi Foge Foge Bandido, mostrando recortes, vozes e memórias da viagem – desta vez a solo – que havia feito nos últimos 10 anos. Recarregar energias foi na Estação de Serviço, que apresentou em 2015, com melodias que já sabíamos de cor e novas lengalengas e frases soltas que ficámos com vontade de memorizar.

Em 2017, Manel Cruz voltou aos concertos, testou as águas para voltar a mergulhar nos discos e nas canções, com uma formação que o inclui no ukulele, no banjo e nos teclados e a outros cúmplices já conhecidos como Nico Tricot (voz, flauta transversal, teclados, guitarra), Edú Silva (voz, baixo, teclados) e António Serginho (percussão, teclados).